Belo Horizonte / MG - quinta-feira, 31 de julho de 2014

Apendicite

VEJA O CONTEÚDO COMPLETO EM:http://www.reneberindoague.com.br/doencas-do-aparelho-digestivo/apendicite/ 

O que é a apendicite aguda?

Apendicite aguda é uma inflamação do apêndice cecal devido proliferação de bactérias no seu interior causando no paciente um quadro de infecção. O apêndice é uma estrutura tubular de fundo cego, de mais ou menos seis centímetros, que se localiza na porção inicial do intestino grosso (ceco). Quando ocorre sua obstrução, acontece a crise de apendicite aguda.

 

Quais os sintomas da apendicite?

No início o paciente apresenta náuseas, dor abdominal difusa e febre baixa. Algumas horas depois, a dor se localiza na parte inferior do abdome à direita. Podem ocorrer outros sintomas menos comuns como diarréia, dor ou ardência ao urinar, além de distensão abdominal. Outras doenças podem provocar sintomas semelhantes à apendicite, como as doenças ginecológicas, infecção urinária e infecções intestinais.

 

Como se diagnostica a apendicite aguda?

Geralmente, a apendicite é diagnosticada apenas com os dados fornecidos pelo paciente e com o exame físico feito pelo médico. Porém, quando existe dúvida, podem ser solicitados exames de sangue, urina, radiografia do abdome, ultra-sonografia ou mesmo tomografia computadorizada.

 

Qual o tratamento da apendicite aguda?

O tratamento da apendicite é sempre cirúrgico. A cirurgia consiste em retirar o apêndice (apendicectomia). Pode ser feita pelo método aberto tradicional ou pela vídeo-laparoscopia. Com os avanços da tecnologia, a apendicite pode ser tratada com este moderno método sem a necessidade de uma grande incisão na parede abdominal. Esta cirurgia, também chamada de minimamente invasiva, consiste na utilização de instrumentos e uma câmara que envia imagens para um monitor de vídeo.

 

Quais as vantagens da cirurgia por vídeo-laparoscopia?

Quando comparamos resultados da apendicectomia por vídeo-laparoscopia com a operação aberta, a primeira acarreta menos dor pós-operatória, curta permanência hospitalar, retorno mais rápido ao trabalho e melhor resultado estético das incisões na pele. Cabe ao médico indicar o método mais adequado para cada paciente.

 

Quais os riscos da apendicectomia laparoscópica?

Como em qualquer cirurgia, na apendicectomia também existem riscos. O risco dessas complicações não é maior do que se a cirurgia foi realizada com a técnica aberta. Complicações que podem ocorrer são: hemorragia, infecção envolvendo a ferida, sangue ou abdome, lesões de órgãos vizinhos como a bexiga, intestino, vasos sanguíneos ou nervos.

 

O que acontece se a cirurgia não pode ser realizada por vídeo laparoscopia?

Às vezes não é possível utilizar a técnica laparoscópica, pois pode ser difícil executar a operação de forma segura. O cirurgião pode optar por converter a cirurgia laparoscópica em uma operação aberta tradicional em determinadas situações visando sempre a segurança do seu paciente. Embora muito rara, quando a conversão para uma técnica aberta ocorre, não se deve considerar um fracasso da operação. A conversão para operação aberta ocorre mais na presença da obesidade, pacientes que possuem cirurgia abdominal previa causando aderências abdominais, ou mesmo na dificuldade de identificar os órgãos ou sangramento durante a cirurgia.

 

O que posso esperar no dia da cirurgia?

Você provavelmente vai ser internado no hospital em regime de urgência. Cadastre um termo de consentimento autorizando seu médico realizar a cirurgia. No hospital, será realizado um acesso venoso em seu braço para fornecer medicamentos antes, durante e após a cirurgia. Após a cirurgia, você será levado para a sala de recuperação anestésica e ter sua pressão arterial, pulso e respiração acompanhada de perto até que você esteja completamente desperto. Nesta sala, você receberá toda medicação para aliviar seu desconforto.

 

O que eu posso esperar após a cirurgia?

No dia da alta hospitalar, você será informado de todos os cuidados para sua melhor recuperação. Tome a medicação seguindo a receita que você recebeu. Procure uma dieta saudável, rica em fibras, assim que voltar para casa. Evite levantar objetos pesados e atividades físicas intensas. Andar a pé e subir pequenos lances de escadas é bom para melhorar a sua circulação, mas evite excessos.

Evite dirigir durante os primeiros sete dias após a cirurgia. Você está liberado para relação sexual logo que você se sinta confortável e tenha discutido este assunto com seu cirurgião. Ligue e agende uma consulta de retorno no prazo de 1-2 semanas após a cirurgia.  Normalmente não existem pontos para se retirar. Discuta com seu cirurgião o seu regresso ao trabalho dentro de uma a quatro semanas.

 

Quando devo chamar meu médico?

Você deverá chamar seu médico se você tem algum dos seguintes sintomas:

  • vermelhidão ou drenagem purulenta nas incisões
  • febre persistente superior a 37,6 graus ou calafrios
  • tosse produtiva, náuseas ou vômitos persistentes
  • dor prolongada e sem alívio com a medicação prescrita